sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Malucas Crenças Antigas

Perfurar o crânio é a cura!
Enquanto a medicina moderna tenta salvar vidas e aliviar as pessoas de suas doenças da forma mais indolor possível, as antigas crenças médicas estavam inclinadas a fazer exatamente o oposto. Uma tal crença foi o uso da trepanação - escavando buracos na cabeça, usando um pedaço bruto de metal para cortar um pedaço redondo de osso do crânio. Nos tempos antigos, acreditava-se que a perfuração da cabeça não só curava enxaqueca e epilepsia, mas também poderia ser usada em pessoas mentalmente doentes a fim de “permitir que os maus espíritos escapassem”.

Testículos de castores como contraceptivos
No século 16, os canadenses acreditavam que os testículos dos animais peludos pequenos eram a chave para evitar uma gravidez indesejada, portanto, um meio interessante de contracepção feminina foi planejado: os testículos dos castores foram moídos e misturados com álcool e, finalmente, a mulher bebia a mistura. Embora haja dúvidas quanto à essa mistura que nunca impediu uma única gravidez, não há dúvidas sobre o fato de que este anticoncepcional vem com um bônus: vomitar suas tripas por todo o lugar.
Mercúrio como um agente curativo
Durante séculos as pessoas acreditaram que o mercúrio podia tratar praticamente qualquer coisa. Dor no seu joelho? Basta esfregar um pouco de mercúrio sobre ele. Mais de 100 anos atrás, se você não tivesse bastante líquido prateado correndo em suas veias você simplesmente não era considerado saudável o suficiente.
Mercúrio, como sabemos agora, é tóxico. Os sintomas de envenenamento por mercúrio incluem dores no peito, problemas cardíacos e pulmonares, tosse, tremores, espasmos musculares violentos, reações psicóticas, delírios e alucinações. Naturalmente, as pessoas naquela época não tinham conhecimento de pelo menos metade destes efeitos secundários, porque se fossem, eles não continuariam tentando curar tudo com ele durante mil anos.
Urina como tratamento de beleza
Em 1500, na velha Inglaterra, as mulheres acreditavam que o uso de urina de cachorro era um tratamento de beleza essencial que faria maravilhas pela sua aparência. Urina do filhote de cachorro era um item de luxo que só os homens e mulheres ricos podiam pagar. Eles esfregavam a urina em seu rosto, escovavam os dentes com ela, banhavam-se nela e muitas mulheres ainda bebiam, em nome da beleza.
A ejaculação precoce pode sugar sua vida para fora de você
Durante a Dinastia Chou da China (770 aC – 222 aC), a teoria do Yin-Yang começou a tomar forma. De acordo com essa crença, os homens e as mulheres foram divididos em o yin e o yang, que era basicamente a força da vida de uma pessoa. As mulheres diziam possuir um suprimento ilimitado de yin, enquanto os homens teriam uma oferta de um nível perigosamente baixo de essência yang. Era estritamente acreditado, então, que os homens eram esperados para o orgasmo só DEPOIS de seu parceiro ter orgasmos várias vezes para que aumentassem o nível de yin que os homens poderiam usar para aumentar o seu yang. Se isso não fosse seguido, então a força do homem, a vida seria drenada até que ele finalmente morresse.
A noiva despida mantém credores longe
Na Inglaterra do século XVIII, acreditava-se que se uma mulher rica e próspera, se casasse com um homem com dívidas, os credores não seriam capazes de recuperar o seu dinheiro do homem recém-casado. Como se isso não fosse ridículo o suficiente, ainda acreditavam que essa solução só funcionaria se a mulher se casasse nua.
Não dormir com a boca aberta
Uma crença popular romena acreditava que era perigoso para alguém dormir com a boca aberta. Eles acreditavam que a alma da pessoa iria para fora da boca aberta e escaparia na forma de um rato minúsculo, viajando livremente durante a noite. E se, na parte da manhã, o rato não voltasse, a pessoa nunca acordaria para ver a luz do dia.
Sexo com estranhos causa fertilidade
Na antiga Mesopotâmia, logo após o casamento, todas as mulheres foram condenadas a visitar o Templo de Ishtar (a deidade principal da época) por causa da crença de que isso as traria para a fertilidade feminina. Em outras palavras, acreditava-se que ter relações sexuais com um estranho ANTES de ter relações sexuais com seu marido era uma coisa boa. No templo, as mulheres eram obrigadas a se sentar e esperar até que um estranho, jogasse um pedaço de prata no seu colo e declarasse: “Convido-vos em nome de Mylitta” (outro nome para Ishtar). Após receber a prata, a mulher deixaria o templo com o homem e teria relações sexuais com ele, depois que ela poderia finalmente voltar para casa, com a certeza de fertilidade futura.

Créditos da postagem: Opreh

Nenhum comentário: